Amelogênese e Dentinogênese

Esta imagem apresenta a de ponta de cúspide de um dente anterior, na fase de coroa, onde o processo de Amelogênese e Dentinogênese já iniciou. Assim como a diferenciação de ameloblastos e odontoblastos, a secreção das matrizes de esmalte e dentina inicia na ponta de cúspide ou borda incisal, e progride lentamente para a região cervical. Desta forma, a ponta de cúspide e borda incisal estarão sempre em estágios mais adiantados de desenvolvimento do dente em relação a sua região cervical.

Esta imagem apresenta a de ponta de cúspide de um dente anterior, na fase de coroa, onde o processo de Amelogênese e Dentinogênese já iniciou. Assim como a diferenciação de ameloblastos e odontoblastos, a secreção das matrizes de esmalte e dentina inicia na ponta de cúspide ou borda incisal, e progride lentamente para a região cervical. Desta forma, a ponta de cúspide e borda incisal estarão sempre em estágios mais adiantados de desenvolvimento do dente em relação a sua região cervical.

Esta imagem apresenta a região cervical de um dente que está na fase inicial de formação de dentina e esmalte da coroa do futuro dente (fase de coroa), onde está acontecendo a Amelogênese e Dentinogênense. A matriz rosa é a dentina; a matriz lilás escurecida é o esmalte não mineralizado, enquanto que a região branca entre dentina e esmalte não mineralizado é o espaço ocupado pelo esmalte já em processo de mineralização, que foi perdido no processamento histológico (desmineralização).

Esta imagem apresenta a região cervical de um dente que está na fase inicial de formação de dentina e esmalte da coroa do futuro dente (fase de coroa), onde está acontecendo a Amelogênese e Dentinogênense. A matriz rosa é a dentina; a matriz lilás escurecida é o esmalte não mineralizado, enquanto que a região branca entre dentina e esmalte não mineralizado é o espaço ocupado pelo esmalte já em processo de mineralização, que foi perdido no processamento histológico (desmineralização).

Nesta imagem, pode-se observar os odontoblastos (abaixo da dentina recém sintetizada, os pré-ameloblastos (abaixo das células da papila que estão se diferenciando para odontoblastos, os ameloblastos pré-secretores (acima da dentina já secretada) e os ameloblastos secretores (acima do esmalte não minrealizado). Observe como os ameloblastos se tornam células cilíndricas longas com núcleo bem polarizado e são células muito unidas (lembre que tem origem epitelial) em forma de paliçada.

Nesta imagem, pode-se observar os odontoblastos (abaixo da dentina recém sintetizada, os pré-ameloblastos (abaixo das células da papila que estão se diferenciando para odontoblastos, os ameloblastos pré-secretores (acima da dentina já secretada) e os ameloblastos secretores (acima do esmalte não minrealizado). Observe como os ameloblastos se tornam células cilíndricas longas com núcleo bem polarizado e são células muito unidas (lembre que tem origem epitelial) em forma de paliçada.

Esta imagem representa o maior aumento da imagem anterior, na região de produção de esmalte e dentina, onde é possível observar com mais detalhes os pré-ameloblastos, ameloblastos pré-secretores, ameloblastos secretores e odontoblastos secretores. É possível ainda observar as matrizes de esmalte não mineralizado e dentina, bem como a matriz de pré-dentina (matriz recém sintetizada e ainda não mineralizada) que encontra-se próxima aos odontoblastos e apresenta uma coloração levemente mais clara que a dentina mineralizada.

Esta imagem representa o maior aumento da imagem anterior, na região de produção de esmalte e dentina, onde é possível observar com mais detalhes os pré-ameloblastos, ameloblastos pré-secretores, ameloblastos secretores e odontoblastos secretores. É possível ainda observar as matrizes de esmalte não mineralizado e dentina, bem como a matriz de pré-dentina (matriz recém sintetizada e ainda não mineralizada) que encontra-se próxima aos odontoblastos e apresenta uma coloração levemente mais clara que a dentina mineralizada.