Dentina

Esta imagem corresponde a um corte tranvesal de um dente onde é possível identificar a dentina e a polpa. A dentina corresponde a área corada de forma homogênea a intensa (em rosa); já a pré-dentina aparece abaixo da dentina como uma matriz menos corada (rosa pálido). Em contato com a pré-dentina encontra-se a camada de odontoblastos.

 

 

 

Esta imagem é uma ampliação da área da dentina, pré-dentina e odontoblastos vista na imagem anterior. Note que é possível verificar em alguns locais a impressão do padrão tubular da dentina.

 

 

 

Estas mesmas estruturas podem ser visualizadas na coloração de Mallory.

 

Em imagens de lâminas de dente desgastados é possível identificar as estruturas que ficam impressas na dentina no decorrer da sua síntese.
A dentina aparece em cinza e o esmalte em castanho. Neste tipo de lâmina é possível verificar a impressão dos túbulos dentinários correndo pela dentina paralelamente em toda a sua extensão. A dentina que está em contato com o esmalte corresponde a dentina do manto e por ser menos mineralizada possui um aspecto mais claro.

Logo abaixo da dentina do manto, no início da dentina circumpulpar encontramos a dentina interglobular. A dentina interglobular são regiões de pequeno aglomerado escurecidos que estão ali presentes em decorrência da falha no início da mineralização globular da dentina do manto.

 

 

 

Já na região periférica da dentina radicular encontramos uma estrutura com aspecto granuloso formada por pequenos espaços preenchidos por ar: a zona granulosa de Tomes. A zona granulosa de Tomes ocorre no final da dentina radicular pois nesta região a ramificação do processo distal dos odontoblastos é maior, deixando estes espaços na junção demento-dentina.